Em breve estará disponível a segunda fase da plataforma de e-learning de Português para nós – Curso de Português Língua Estrangeira/Língua Segunda (vd. aqui mesmo: Português para nós: curso de português on-line)

Haverá actualizações especialmente nos conteúdos lexicais, sócio-culturais e nos exercícios, assim como a definitiva substituição dos áudios “sintetizados” (vozes artificiais) por vozes “humanas”.

As diferentes actividades e exercícios deverão estar terminadas antes do 15 de Junho para poder optar ao diploma da Direcção Geral de Juventude e Solidariedade da Junta da Galiza.

Esta mesma Direcção Geral de Juventude e Solidariedade da Junta da Galiza, oferecerá uma viagem a Lisboa para duas pessoas, que será sorteada entre os alunos que tenham finalizado com aproveitamento o curso Português para nós (mais informação nas bases do sorteio).

De todos e de ninguém

25 Fevereiro 2008

“Las crisis medioambientales, alimentarias, sanitarias, urbanas o migratorias muestran el inadecuado tratamiento que reciben los bienes comunes: el aire, el agua, el paisaje, las calles, el conocimiento, el arte, el silencio, el genoma, los acuíferos o las especies, son bienes que pertenecen a todos y a nadie al mismo tiempo, bienes que deberían, en consecuencia, integrar el procomún.

Los nuevos tiempos dominados por el conocimiento, la participación y la conciencia de riesgos globales, aconsejan cambiar de política o, quizá, reinventar la política. ¿Puede ser privatizada la función fotosintética, el ciclo de los nutrientes o la polinización de las plantas, como lo están siendo las semillas, los fondos oceánicos y los acuíferos? ¿No es parte de nuestra responsabilidad transmitir a nuestros hijos los dones de la naturaleza y la cultura? ¿No es nuestra responsabilidad reafirmar un compromiso con la defensa del bien común y de los nuevos patrimonios?”
ELPAÍS.com (17/03/2007) > Ciencia, democracia y procomún

“También estoy convencido de la imposibilidad de afrontar las grandes encrucijadas a las que nos enfrentamos, ya sean energéticas o climáticas, ya estén relacionadas con la justicia alimentaria o la salud mediambiental, con la simple concurso de los expertos. Desde luego son necesarios, más aún imprescindibles, pero nada podrán lograr sin la complicidad de la ciudadanía. No podemos seguir comportándonos como si las soluciones fueran estrictamente tecnocráticas. Si las hay, han de ser políticas y, muchas, además de democráticas, tienen que ser globales. “
tecnocidanos > ciencia y procomún

Está disponível na rede, livre e gratuito, um curso de “português para estrangeiros” (financiado pela Direcção Geral de Juventude e Solidariedade da Junta da Galiza) em que colaborei, junto com outros elementos do grupo Galabra (de Estudos nos Sistemas Culturais Galego, Luso, Brasileiro e Africanos de Língua Portuguesa) Universidade de Santiago de Compostela e a empresa Imaxin Software (com fundos europeus Interreg III A de Cooperação Transfronteiriça).

Este é endereço: http://www.portuguesparanos.com/
Em “Disciplinas disponíveis” clicar em “Português para nós”

ACTUALIZAÇÃO (abril 2011):  agora em:   http://www.portuguesparanos.org/

O curso está dividido em 8 unidades, chamadas blocos. Cada bloco apresenta um ou mais dos seguintes elementos:

* Introdução (em vídeo e/ou áudio):

* Comunicando (funções comunicativas da língua: cumprimentar, despedir-se, pedir, etc.):

* Conteúdos gramaticais (questões de ortografia, fonética morfo-sintaxe, etc.):

* Capital das palavras (conteúdos lexicais):

* Cronicando (conteúdos sócio-culturais):

* Vai ou não vai? (exercícios para as diferentes secções):

O curso (conteúdos, exercícios, etc.) está concebido para funcionar sem professor.
Faltam alguns conteúdos que serão incorporados nas próximas semanas (e algumas afinadelas no áudio, etc.).

arte.observatorio.info

7 Dezembro 2007

Observatorio.info. Uma obra de arte diária.
arte.observatorio.info tenciona ser um ponto de encontro diário para curiosos, amantes e conhecedores da arte. Cada dia é apresentada uma obra nova, em que se incluirão detalhes dos elementos mais representativos, para ajudar a compreender melhor a mesma:

Via: Bitácora de Aníbal de la Torre > Pon una obra de arte al día en tu vida, o en tu web

“Free Access To All Human Knowledge”

Um apelo em vídeo (legendado em português) do fundador da Wikipedia, Jimmy Wales

Descargas da Internet

30 Novembro 2007


Leio em ELPAIS.com:
As grandes cadeias de televisão tornam rentáveis as descargas de séries na Internet A publicidade nas webs da ABC, CBS, NBC e Fox gerou 81 milhões de euros, segundo FT.
As descargas de programas de televisão da Internet geraram receitas de perto de 120 milhões de dólares (81,2 milhões de euros) aos quatro principais meios de comunicação estado-unidenses neste ano, segundo publica Financial Times.

Os peritos prevêem que a publicidade nestes sítios web continue a crescer de maneira exponencial uma vez que os reclamos interactivos têm melhores ratios de conversão do que os reclamos de televisão. [A consultora] Accustream afirma que um reclamo tem uma resposta de 85% face às ratios de apenas um dígito que costuma atingir um reclamo na televisão.”

Fonte: Las grandes cadenas de televisión hacen rentable las descargas de series en Internet

Será que as grandes discográficas (e não só) não sabem mesmo que o seu modelo de negócio se tornou obsoleto?
Mesmo sabendo que outros modelos baseados em descargas da Internet podem ser viáveis, não haverá interesse em manter este clima de incerteza sobre a partilha de coisas na rede?
Ganham tempo para ir preparando novos modelos de negócio e, ao mesmo tempo, espremem até à última gota o modelo em agonia (como no negócio do petróleo) e evitam que se consolidem outros modelos de difusão e partilha da conteúdos culturais em que a margem de negócio poderia reduzir-se drasticamente (para estas companhias, não para os autores).
Estaremos perante um caso de FUD (“Fear, Uncertainty and Doubt”), como estratégia de marketing?
Por outro lado, há qualquer coisa aqui que lembra a estratégia de Microsoft, que ao “permitir” piratear os seus sistemas operativos, acabou a meio prazo por praticamente ganhar a exclusividade do negócio (isto é, por tornar-se um monopólio).
Fonte da imagem: El blog de Enqrique Dans > Microsoft da diez razones por las que las empresas no deben usar Google Apps

Wikipedia: "Access Denied"

29 Novembro 2007

Começam a proibir a Wikipédia em universidades e em escolas de ensino médio dos EUA.
No passado dia 21 de Novembro, o sítio de notícias The Seattle Times difundiu que, pelo menos em duas escolas secundárias e numa universidade, tinha sido proibido o acesso à enciclopédia electrónica Wikipedia. Os alunos o os professores que tentavam entrar no sítio deparavam-se com a mensagem “Just Say ‘No’ to Wikipedia” (Diz Não à Wikipédia) inspirada no slogan que popularizou Nancy Reagan para os jovens rejeitarem o uso de drogas.”

Carlos Martínez, La Wikipedia empieza a ser prohibida en universidades y centros de enseñanzas medias de EEUU, em Rebelión
Via: fírgoa
(tradução minha)

Já faço parte do projecto Distributed Proofreaders (obrigado, Alberto Simões, da Universidade do Minho, pelo empurrão inicial)

Este projecto possibilita digitalização de livros no Domínio Público graças ao trabalho de voluntários, que podem rever tão regular ou raramente quanto o desejarem, e quantas páginas quiserem.

Em que consiste o trabalho?
“Quando um revisor escolhe rever uma página de um dos livros, o texto e a imagem da página são-lhe apresentadas numa única página web. Isto permite que o texto seja facilmente corrigido e comparado à imagem da página, auxiliando a revisão. O texto editado é submetido de novo para o sítio através da mesma página web em que foi editado. O trabalho submetido é apresentado a um segundo revisor em conjunto com a imagem da página. Uma vez verificado o trabalho do primeiro revisor e corrigido qualquer erro, o texto da página é submetido novamente. Uma vez que todas as páginas de um determinado livro tenham sido processadas, um editor junta as peças, formata-as de acordo com as regras do Projecto Gutenberg para e-books e submete ao Projecto Gutenberg para arquivo.” (do Sítio do Distributed Proofreaders Europe).

… a coisa vai mudando:
Os romances finalistas do Booker Prize, o mais importante prémio literário inglês, ficarão disponíveis brevemente na Internet.
… pois… os eventuais downloads dos livros da Internet não terão um grande impacto nas vendas e que, se algum dos textos agradar aos internautas, é possível que alguns destes decidam comprar o volume impresso.

Fonte RUM

vd., aqui mesmo, Piratas? Devagarinho, mas…

Dicionário Aberto

18 Outubro 2007

No projecto Dicionario Aberto podemos aceder livremente ao Novo Diccionário da Língua Portuguesa Candido de Figueiredo – 1913, o dicionário mais actualizado e em domínio público, disponível na Biblioteca Nacional.
A ideia de rever um dicionário, tornando-o disponível na internet, partiu de Alberto Simões [Projecto Natura] da Universidade do Minho, enquadrado no Distributed Proofreaders.

Este projecto possibilita a revisão de livros em domínio público, disponibilizando as imagens digitalizadas de livros e a sua respectiva reprodução em OCR. No caso do Dicionário Aberto, foi a Biblioteca Nacional que disponibilizou as imagens através da Biblioteca Nacional Digital.

O projecto Distributed Proofreaders faz parte do Projeto Gutenberg .
%d bloggers like this: