Nelson Mandela, a Long Walk …

Nelson Mandela Centre of Memory

Via Expresso: Arquivos de Nelson Mandela chegam à Net

Exportação de pessoas

11 Dezembro 2011

A partir deste mês, mais um jovem de 25 anos entra na “zona de conforto” do desemprego.

Este jovem é um bom conhecedor das “zonas de conforto”. Vive, confortavelmente, com os pais, resignando-se a coisas como “baixa essa música”, “na minha casa não quero que cheire a tabaco”, etc. Vive, confortavelmente, com os 600 euros que recebe, perdão, que recebia.

Como está cansado de tanto conforto, vai mudar de ramo para passar a integrar o negócio das exportações. Porque a solução está, como sabemos, nas exportações. Vai exportar-se a si próprio. Porque “Ahora … la …más rentable actividad económica [de Portugal] es la exportación de personas”.

Só que eu, na minha “zona de conforto”, não estou a gostar nada deste voltar ao comércio de exportação de pessoas.

E não apenas porque isso me lembre coisas perturbadoras como o “comércio” de pessoas, os navios negreiros, as mafias angariadoras, os “cayucos”, etc., etc.

É que essa indústria exportadora está a pôr em causa os meus planos para uma velhice na “zona de conforto”. É só ver estes indicadores, anteriores, até, à implementação desta política de exportação de pessoas.

Indices de envelhecimento da população residente (2000-2009). A crescer de 102%, no ano 2000, para 118%, no ano 2009:

E estas taxas de crescimento populacional (natural, migratório e efetivo), também de 2000-2009, a descer:

Saldo migratório: de 47000 no ano 2000, para 15408, no ano 2009

Saldo natural: de 14644, no ano 2000, para -4945, no ano 2009

Fonte dos indicadores: ALEA > Actualidades do INE

Somália:  Pesca ilegal e lixeiras tóxicas. Quem são os verdadeiros piratas?

¡Piratas! (link para o documentário com legendas em português)

Duration: 23 minutes and 26 seconds
Country: Spain
Language: Spanish (com legendas)
License: CC – Attribution Non-commercial No Derivatives
Genre: Documentary
Producer: Juan Falque
Director: Juan Falque
Posted by: juanfalque on 28/Jan/2011

Aceitam-se contributos para ajudar  a contrastar esta informação.

(obrigado, Roberto)

Tony Judt (2011) The Memory Chalet; Penguin Press; 240 páginas.
Trad. espanhola (de Juan Ramón Azaola): El refugio de la memoria, Taurus; 240 páginas.

“My solution has been to scroll through my life, my thoughts, my fantasies, my memories, mis-memories, and the like until I have chanced upon events, people, or narratives that I can employ to divert my mind from the body in which it is encased. These mental exercises have to be interesting enough to hold my attention and see me through an intolerable itch in my inner ear or lower back; but they also have to be boring and predictable enough to serve as a reliable prelude and encouragement to sleep. It took me some time to identify this process as a workable alternative to insomnia and physical discomfort and it is by no means infallible. But I am occasionally astonished, when I reflect upon the matter, at how readily I seem to get through, night after night, week after week, month after month, what was once an almost insufferable nocturnal ordeal. I wake up in exactly the position, frame of mind, and state of suspended despair with which I went to bed—which in the circumstances might be thought a considerable achievement.”

“I prefer the edge: the place where countries, communities, allegiances, affinities, and roots bump uncomfortably up against one another—where cosmopolitanism is not so much an identity as the normal condition of life. Such places once abounded. Well into the twentieth century there were many cities comprising multiple communities and languages—often mutually antagonistic, occasionally clashing, but somehow coexisting. Sarajevo was one, Alexandria another. Tangiers, Salonica, Odessa, Beirut, and Istanbul all qualified—as did smaller towns like Chernovitz and Uzhhorod. By the standards of American conformism, New York resembles aspects of these lost cosmopolitan cities: that is why I live here.”

#15m #nolesvotes #acampadaSol
Movimiento 15-M / Indignados / Spanish revolution (Wikipedia)

foto: Galeria de Pierre:  ¡¡Quiero un futuro!!

HUMANIDADES sem BARREIRAS é um projeto concebido por estudantes do Curso de Línguas e Literaturas Europeias da Universidade do Minho no âmbito das disciplinas tecnológicas que consiste na conceção e criação de um sítio Web acessível para a Secção de Desporto Adaptado do Sporting Clube de Braga (SDA).

O projeto foi sumetido ao concurso CAUSAS SUPERIORES

Podem votar no projeto através do seguinte URL:

http://www.causassuperiores.com/?p=causa&id=24

Encerramento da votações: 24:00h do dia 31 de março.

Ai!, Palestina

31 Maio 2010

“El Ejército israelí ha interceptado esta madrugada la flotilla de seis barcos con más de 750 personas a bordo, entre ellos al menos tres españoles, que transportaba ayuda humanitaria para Gaza”
El País:    Israel intercepta la flotilla de ayuda a Gaza y mata a al menos 10 activistas propalestinos

Ai Palestina
Calam-se as vozes
Dos teus avós
Ai Palestina
Se outros calam
Cantemos nós

%d bloggers like this: