Wikipédia Património da Humanidade
Pode assinar a petição online aqui

Anúncios

AGÁLIA. REVISTA DE ESTUDOS NA CULTURA

RECEBE TRABALHOS PARA O SEU PRÓXIMO NÚMERO GERAL E PARA O MONOGRÁFICO “LÍNGUAS, DESIGUALDADES E FORMAS DE HEGEMONIA”, COORDENADO POLO PROFESSOR CELSO ÁLVAREZ CÁCCAMO

Após 25 anos de edição continuada da mão da Associaçom Galega da Língua, Agália inicia em 2011 uma nova etapa como Revista de Estudos na Cultura com um projeto científico e editorial, de periodicidade semestral, que foca a publicação de trabalhos de investigações enquadráveis no alargado campo dos “Estudos na Cultura”. Neste espaço multidisciplinar estão referenciadas a totalidade das Ciências Sociais e Humanas e estão contemplados âmbitos de especialização tais como os estudos linguísticos e literários, a sociologia, a antropologia, a história, a geografia, a filosofia, as artes, a ciência política, as ciências da educação, o turismo, a economia, o direito, a comunicação ou a gestão e a planificação cultural.

A Agália recebe trabalhos redigidos em (galego-)português, de preferência segundo o novo Acordo Ortográfico em vigor, e está submetida aos procedimentos e as normas de receção e avalização de trabalhos vigorantes no âmbito científico internacional (nomeadamente à avaliação por pares cegos). Esta Revista de Estudos na Cultura é publicada duas vezes por ano (em junho e em dezembro) tanto em formato eletrónico como impresso, e poderá editar, para além de números gerais, volumes monográficos coordenados por investigadores convidados. Na atualidade, a revista recebeu no Brasil a máxima qualificação da CAPES (A1) na área de Letras/Linguística e de B2 na de Sociologia e está indexada na base de dados Dialnet.

A receção de trabalhos para a sua publicação na Agália. Revista de Estudos na Cultura encontra-se permanentemente aberta. Neste momento, os trabalhos enviados até 30 de Junho de 2011 serão avaliados para a sua eventual inclusão no próximo número regular (o 101). Igualmente, a Agália aceita trabalhos também para o número monográfico Línguas, Desigualdade e Formas de Hegemonia, coordenado polo professor da Universidade da Corunha Celso Álvarez Cáccamo.

fonte: Agália

Toda a informação em www.agalia.net e em www.facebook.com/agaliarec


Em “Democracia Real Ya: Un análisis”  ( Ruina Imponente.info) podemos ler uma análise interessante e inteligente das reivindicações de “¡Democracia Real YA!“, plataforma que está a convocar as manifestações e protestos destes dias na Espanha (também conhecidas por “Movimiento 15-M”, “Indignados”, “Spanish revolution”).

Actualização:
Também aqui:
#SpanishRevolution, resumen y conclusiones (em Pisito en Madrid);
#spanishrevolution: cronología de una sociedad desencantada (em ALT1040);
Entendiendo la #spanishrevolution (em El Blog de Enrique Dans);
COMPRENDRE LA RÉVOLUTION ESPAGNOLE (em OWNI, tradução do artigo de Enrique Dans anterior, com fotografias e vídeos adicionais).

Puerta del Sol (Madrid), na noite de 15 de maio
imagem: Wikipedia: Protestas en España de mayo de 2011

#15m #nolesvotes #acampadaSol
Movimiento 15-M / Indignados / Spanish revolution (Wikipedia)

foto: Galeria de Pierre:  ¡¡Quiero un futuro!!

Desempregados com habilitação superior por áreas de estudo, Junho de 2010 (Portugal continental)*

Ciências empresariais 19,8%
Ciências sociais e do comportamento 12,9%
Engenharia e técnicas afins 9,0%
Arquitectura e construção 6,8%
Formação de professores/formadores e ciências da educação 6,5%
Saúde 6,4%
Artes 6,3%
Humanidades 5,2%
Serviços sociais 4,4%
Direito 4,0%
Informação e jornalismo 4,0%
Serviços pessoais 3,5%
Agricultura, silvicultura e pescas 2,2%
Indústrias transformadoras 2,0%
Ciências da vida 1,6%
Protecção do ambiente 1,6%
Ciências físicas 1,5%
Informática 1,2%
Matemática e estatística 0,5%
Ciências veterinárias 0,4%
Serviços de segurança 0,2%
Serviços de transporte 0,1%

* Fonte:

Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior) >  A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior – 2010 [relatório VII]  >  Quadro I.22 – Desempregados com habilitação superior por áreas de estudo, Junho de 2009 e Junho de 2010 (Continente)

via Público > Pública > As elites já não querem estudar Letras (por Alexandra Prado Coelho).

Conferência-concerto de José Luís do Pico Orjais e Isabel Rei Sanmartim, no salão nobre do Edifício dos Congregados, da Universidade do Minho.
Apresentaram a edição crítica do primeiro e até agora inédito cancioneiro de música popular galega, “Ayes de mi País”, uma compilação feita por Marcial Valladares em meados do século XIX.

Sábado, 7 de maio de 2011.
Organização: Centro de Estudos Galegos e Departamento de Música (Instituto de Letras e Ciências Humanas, Universidade do Minho)

Mesa de escritoras e escritores da Galiza na Feira do Livro de Braga 2011: Teresa Moure, Carlos Quiroga, Séchu Sende, Lucía Novas, Andrea Nunes Brións, Belém de Andrade, Raquel Miragaia, Román Raña, Marilar Aleixandre, Mario Regueira e Marta Dacosta. Apresentados por Elias Torres Feijó.

Antecedeu a sessão um momento musical com Uxía Senlle e Sérgio Tannus.

Sábado, 7 de maio de 2011.

%d bloggers like this: