Maria Gadú

25 Abril 2010

Descobri Maria Gadú, via Cuando los elefantes sueñan con la música > Chico Buarque por ellas (y ellos), no disco, já aqui referido, Chico Buarque por Elas, com a peça “A história de Lilly Braun” (de Chico Buarque e Edu Lobo), aqui, numa gravação doméstica:

Pode ouvir o álbum Maria Gadú (2009) no MySpace de Maria Gadú

foto: Amazon:   Maria Gadú

  1. Paula Morelenbaum
  2. Nina Simone
  3. Tina Turner
  4. Adriana Calcanhotto
  5. Amy Winehouse
  6. Morelenbaum2 & Sakamoto
  7. Lisa Ekdahl
  8. Sade
  9. Glenn Gould
  10. Ray Charles
  11. Corinne Bailey Rae
  12. Aretha Franklin
  13. Mstislav Rostropovich
  14. Norah Jones
  15. Sam Cooke
  16. Leonard Cohen
  17. Berliner Philharmoniker & Herbert von Karajan
  18. Herbert von Karajan: Berlim Philharmonic Orchestra
  19. Louis Armstrong
  20. Madeleine Peyroux
  21. Janis Joplin
  22. Caetano Veloso
  23. Cesária Évora
  24. Marisa
  25. Diana Krall

Fonte: last.fm > http://www.lastfm.com.br/user/Alvaro_I

Campanha da Defective By Design contra as restrições no iPad, cujas aplicações devem ter sempre a bênção da Apple, que pode não só denegar a autorização de determinadas aplicações como também desabilitar características, bloquear produtos da concorrência, censurar conteúdos e até apagar livros, vídeos ou notícias das máquinas dos usuários, usando o dispositivo de ligação à rede “always on”.

O arrogante (sempre foi assim?) Steve Jobs responde: “Quem quiser pornografia sempre pode comprar um Android”:

Jobs: “Quien quiera pornografía puede comprar un Android”
El máximo directivo de Apple rechaza contenidos eróticos en sus móviles.- La tienda de aplicaciones levanta el veto a una creación del premio Pulitzer de humorismo gráfico

(El País)

Assim farei, Steve, quando o contrato do meu iPhone com a Vodafone acabar, comprarei um telemóvel com Android.

Gosto de ser eu a decidir o que quero ler, o que quero ver, etc.

Pode assinar a carta aqui: Campanha da DefectiveByDesign.org

imagem: Defective By Design

Elas

18 Abril 2010

Chico Buarque por Elas (SOM LIVRE,  2009)

1. Partido alto – Cássia Eller
2. Apesar de você – Clara Nunes
3. Olhos nos olhos – Nara Leão
4. Deixa a menina – Ivete Sangalo
5. Com açúcar, com afeto – Fernanda Takai
6. Quem te viu, quem te vê – Mônica Salmaso
7. Atrás da porta – Elis Regina
8. Anos dourados – Miúcha
9. Meu amor – Maria Bethânia/Alcione
10. Sobre todas as coisas – Maria Rita
11. A história de Lilly Braun – Maria Gadú
12. Ciranda da bailarina – Adriana Calcanhotto
13. Meu guri – Beth Carvalho
14. Valsinha – Monique Kessous.

via  Cuando los elefantes sueñas con la música >
Chico Buarque por ellas (y ellos)

(programa dirigido e apresentado por Carlos Galilea, de que já falamos aqui).

Filme galego ‘Pradolongo’ estreia em Portugal:

15 de Abril, quinta-feira, às 16h30, no Auditório B2 do CPII na Universidade do Minho (Braga)

16 de Abril, às 21h30, no Estaleiro Cultural Velha-a-Branca (Braga)

17 de Abril, às 12h, na FNAC Braga.

17 de Abril, sábado, às 19h15, nos Cinemas Cinemax do Bragashopping (Braga)

O Centro de Estudos Galegos (do Instituto de Letras e Ciências Humanas, da Universidade do Minho) divulga a estreia do filme em Portugal e promove vários colóquios, com a presença do realizador e dos actores.

Prémio Especial do 13º Festival de Cine Internacional de Ourense;

IV Prémio Ciudad San Sebastián Film Commission;

Prémio Jerry Goldsmith do Festival Internacional de Música de Cine (Ubeda, Espanha), para a banda sonora;

Park City Film Music Festival: Director’s Choice Gold Medal for Excellence (Utah, EUA);

Prémio Atlantis no Festival Moondance (Colorado, EUA).

A Segunda República Espanhola foi proclamada a 14 de Abril de 1931 na sequência da vitória republicana nas eleições municipais de 12 de Abril.

Imagem: Wikipédia: Segunda República Espanhola


Estava à espera da versão em e-book do livro de Enrique Dans. Esperei a ver se aparecia na Amazon, para o Kindle, procurei também alguma cópia na Internet (presumindo que, como estava sob uma licença Creative Commons, poderia aparecer mais cedo na rede), mas só encontrei a versão para o iPhone e, não, para mim o iPhone não dá para ler livros.
No aeroporto de Vigo, a caminho de Barcelona, encontrei o livro e não resisti à tentação: comprei uma versão em papel.
Como acompanho regularmente o blog de Enrique Dans, confesso que iniciei a minha leitura à espera de encontrar poucas novidades, mas fiquei gratamente surpreendido com o “novo” texto do autor. Sim, Enrique Dans, o esforço de re-estruturação, de síntese, valeu bem a pena (“Al lector corresponderá juzgar si el esfuerzo ha valido la pena”, pág. 16). O resultado é um livro de leitura muito mais amena do que eu esperava.

Aconselho-o:
Dans, E. (2010) Todo va a cambiar. Tecnología y evolución: adaptarse o desaparecer. Barcelona, Deusto (sob licença Creative Commons BY NC SA).
Índice:
Prólogo (por Vint Cerf)
Introducción
Capítulo 1. Música, películas, mentiras e Internet.
Capítulo 2. Las evidencias del cambio.
Capítulo 3. La disrupción tecnológica (cuando lo vemos venir)
Capítulo 4. La evolución de la comunicación.
Capítulo 5. Introducción a la red. La neutralidad de la red.
Capítulo 6. Los costes de transacción y comunicación.
Capítulo 7. La generación perdida: la resistencia a la tecnología
Capítulo 8. Una nueva generación.
Capítulo 9. La red y el neohumanismo.
Capítulo 10. Un caso práctico: Microsoft.
Capítulo 11. La evolución de la web.
Capítulo 12. Un caso práctico: Google.
Capítulo 13. La evolución de la tecnología: del ordenador a la nube.
Capítulo 14. Nuevas herramientas para nuevos escenarios.
Capítulo 15. La sociedad hiperconectada.
Capítulo 16. Revisando los papeles: participación y comunidades.
Capítulo 17. El futuro.

%d bloggers like this: